Fica cada vez mais clara a estratégia das grandes plataformas e desenvolvedores, como o Google e a Apple, de ampliar a presença das marcas dentro das residências dos usuários com a oferta não de produtos e serviços e sim de soluções “smart”. Começou com os smartphones, evoluiu para as smarTVs e, bingo, agora temos as novas smarthomes.

O Google anunciou em Mountain View durante o I/O Live 2019, encontro anual com desenvolvedores, a sua nova central inteligente para “smart homes”, chamado de Nest Hub Max. E aqui no Brasil, alguns usuários do Google Home receberam, também ontem, um email da empresa apresentando o Google Nest (aqui).

Vale lembrar que em 2014 o Google comprou a Nest por 3,2 bilhões de dólares e muitos investidores acharam que seus gestores tinha enlouquecido por causa do evaluation de uma pequena empresa cujos principais méritos tinham sido desenvolver um simples termostato e um dispositivo identificador de fumaça de cigarro.

Agora a estratégia do Google mostra a que veio: o futuro, ou parte dele, inclui as smart homes e o nome da empresa que conduzirá os cidadãos a estas novas . Estas unidades habitacionais serão cada vez mais conectadas e sensíveis a interações entre o humano e a máquina. A oferta do Nest inclui produtos como o termostato, cameras, assistente pessoal, campainhas, alarmes, fechaduras e detetores de fumaça e o recém lançado Nest Hub, um super assistente pessaoal que funciona como uma central de inteligência que consegue interagir com os usuários em diversas dimensões, incluindo com reconhecimento facial.

O objetivo do Google é “facilitar” a vida das pessoas, tornar a suas experiências com as maquinas mais úteis, simples e seguras e fazer com que os robôs ajudem efetivamente seus usuários a terem uma vida melhor.

O Jornal 140 entrou no site da sua concorrente Apple (aqui) e viu uma lista de produtos que já estão disponíveis ou ainda serão lançados incluindo aparelhos de TV (“em breve”), caixas de som, iluminação, interruptores, tomadas, termostatos, janelas e coberturas, ventiladores, condicionadores de ar, umidificadores, purificadores de ar, sensores, segurança, fechaduras, câmeras, campainhas, controles de garagem e pontes de conexão. A Apple criou selos de certificação – como Apple HomeKit -mostrando que opera no modelo de “homologadora” de produtos produzidos por terceiros credenciados.

Deixe uma resposta